segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Suas Escolhas ... E O Que Você Verá No Final

O amor passa ??
A vida passa ??
Passa e lhe ultrapassa
Como um rolo quando voce a deixa passar
Um rastro de agonia e amargor
Sem chão, sem direção... Sem bálsamo para aliviar
Como na desistência do amor

A vida dá
A vida lhe doa
Ela vive a lhe mostrar a morte
A mesma perdoa

Ela é um ato de escolhas
O seu livro com suas folhas
Frase, parágrafo... uma linha inteira
Cada pagina escrita com o que voce vê em um espelho
Escolha o amarelo, o verde ou escureça sua vida, queira o vermelho
Mas queira

Todos carregam o dom de ser o universo
Uns em prosa outros em verso
De todas as poesias que te permeia
O coração do tamanho do mundo
Ou a alma diminuída a um grão de areia

A vida se transforma em dor quando voce desiste de argumentar com ela
Desiste de aprender
Quando não vê saída
Apesar da morte nos ser a única certeza
Ainda nos resta o resto da vida por aproveitar... a vida

Por mais que lhe pareça o fim
O fim só acontece quando voce decide
A vida lhe assiste e só lhe dá os resultados
De tudo que em sua alma incide

Seja alma, seja vida
Pois ela pode passar sem você ver
Quando chegar ao final e a sua vez
Ou pode estar cheio de cicatrizes fechadas
Ou ter a eternidade para se arrepender do que não fez...

O que te falta pra viver o que voce decidiu por ti mesmo?
Pra não morrer na mesmice, como barco a esmo?
Falta coragem?
Perspectiva?
DIREÇÃO??
Olhe ao seu redor...
Posso ser o único com os braços abertos... esta mão que ainda segura sua mão
Posso não ser tudo que quis...
Porque essa teimosia, se a verdade tá estampada em seu nariz??
Faço até esta péssima rima pra te perguntar
Se ainda quer ser feliz...?
- FABRICIO MARCHI -
(Ilustração: DELACROIX, Eugene - "O outono - Baco e Ariadne")

domingo, 29 de novembro de 2009

Não Sei Escrever Tudo O Que Sinto...

Não sei escrever tudo o que sinto,
mas sei sentir, e com um amor imenso,
cada pedacinho da vida.
Não sei amar de morrer porque para mim amar é viver.
Não sei sonhar todos os meus sonhos,só sei sonhar o que o meu coração pede.
Não sei dar tudo de mim,mas me esforço para dar o que posso.
Não sei quase nada da vida,mas sei que é bom existir.
Tudo o que eu sei é que a vida é linda
e que enquanto houver um mínimo de ternura para oferecer,
a vida vale a pena viver
A amizade
É ter certeza do carinho
É saber qual é o momento
De falar ou de estar calada
É dividir alegria e tristeza Daqueles que estão ao seu lado
É ter toda a certeza De amar e ser amada
É respeitar os espaços diversos
É oferecer a mão amiga
E tê-la sempre estendida
É silenciar o segredo
Por amor e não por medo
É ouvir a voz sofrida...
É cumplicidade
que não se explica.
É reciprocidade... Isso é amizade!

sábado, 28 de novembro de 2009

A Conversa Com O Demônio

O homem olha o entardecer na linda praia, ao lado de sua mulher, durante suas merecidas férias. Tudo parece absolutamente no seu lugar, e de repente, do fundo do seu coração, surge uma voz simpática, companheira, mas com uma pergunta difícil:

“Você está contente?”

“Sim, estou”, responde.

“Então olhe com cuidado à sua volta”.

“Quem é você?”

“Sou o demônio. E você não pode estar contente, porque sabe que, cedo ou tarde, a tragédia pode aparecer e desequilibrar seu mundo. Olhe com cuidado à sua volta, e entenda que a virtude é apenas uma das faces do terror”.

E o demônio começa a mostrar tudo o que está acontecendo na praia. O excelente pai de família que neste momento empacotava as coisas e ajudava os filhos a colocarem um agasalho, que gostaria de ter um caso com a secretária, mas estava aterrorizado com a reação da mulher.

A mulher, que gostaria de trabalhar e ter sua independência, mas estava aterrorizada com o a reação do marido.

As crianças que se comportavam bem, com terror dos castigos.

A moça que lia um livro, sozinha numa barraca, fingindo displicência, enquanto sua alma aterrorizava-se com a possibilidade de jamais encontrar o amor de sua vida.

O rapaz com a raquete exercitando seu corpo, aterrorizado pelo fato de precisar corresponder às expectativas de seus pais.

O velho que não fumava e não bebia dizendo que tinha mais disposição agindo assim, quando na verdade o terror da morte sussurrava como o vento em seus ouvidos.

O casal que passou correndo, os pés espalhando a água da arrebentação, o sorriso nos lábios, e o terror oculto dizendo que iam ficar velhos, desinteressantes, inválidos.

O homem que parou sua lancha na frente de todos e acenou com a mão, sorrindo, queimado de sol, sentindo terror porque podia perder seu dinheiro de uma hora para a outra.

O dono do hotel que veio cumprimentar seus hóspedes no momento em que o sol se escondeu, tentando deixar todos contentes e animados, exigindo o máximo de seus contadores, com terror na alma porque sabia que — por mais honesto que fosse — os homens do governo sempre descobriam as falhas que desejassem na contabilidade.

Terror em cada uma daquelas pessoas na linda praia, no entardecer de tirar o fôlego. Terror de ficar sozinho, terror do escuro que povoava a imaginação de demônios, terror de fazer qualquer coisa fora do manual do bom comportamento, terror do julgamento de Deus, terror dos comentários dos homens, terror da justiça que punia qualquer falta, terror da injustiça que deixava os culpados soltos e ameaçadores, terror de arriscar e perder, terror de ganhar e ter que conviver com a inveja, terror de amar e ser rejeitado, terror de pedir aumento, de aceitar um convite, de ir para lugares desconhecidos, de não conseguir falar uma língua estrangeira, de não ter capacidade de impressionar os outros, de ficar velho, de morrer, de ser notado por causa de seus defeitos, de não ser notado por causa de suas qualidades, de não ser notado nem por seus defeitos, nem por suas qualidades.

“Espero que isso o deixe mais tranqüilo”, terminou o demônio. “Afinal, você não está sozinho com seus medos”.

“Por favor, não vá embora sem antes ouvir o que tenho a dizer” respondeu o homem. ”Temos uma capacidade incrível para detectar dores, remorsos, feridas – ou terror, como você prefere. Mas certa vez meu pai me contou a história de uma macieira que, de tão carregada de maçãs, não conseguia deixar que seus galhos cantassem com o vento. Alguém que passava perguntou porque ela não procurava chamar a atenção, como todas as outras árvores. ‘Meus frutos são minha melhor propaganda’, respondeu a macieira”.

“Claro que não sou diferente de ninguém, e meu coração abriga muitos medos. Mas apesar de tudo, os frutos de minha vida falam por mim, e se algum dia acontecer uma tragédia, eu sei que não passei minha vida sem arriscar”.

E o demônio, decepcionado, partiu para tentar assustar outras pessoas mais fracas.

- Paulo Coelho, "Warriors of the Light" -

(Ilustração: GIAQUINTO, Corrado - "Satan before the Lord")

domingo, 22 de novembro de 2009

Toda Vez Que Precisar De Mim...

... grite meu nome ao vento
ele me trará o recado.
Quando precisar de mim
ouça uma música suave
de olhos fechados.
Sempre que precisar de mim
olhe a lua
e a luz abraçará você como eu faria.
Se precisar de mim
dance na chuva
água que correr em teu corpo
serão as lágrimas que choraria com você.
E se não houver
vento, música, lua ou chuva,
faça uma oração
e o meu anjo se unirá ao seu.
para lhe por no colo e
lhe dar conforto
sempre que você precisar de mim, CONTE COMIGO!

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Saudação à Natureza

Reverencio a Terra que me abriga
Que tal qual a mãe faz em seu útero...
Acolhendo, alimentando as sementes
E formando vidas...
Sou, filha da terra...
Sou chão,
Sou rocha e deixo cravado
Em meu peito o amor verde esperança
Das matas que oxigenam o mundo.
Banho-me com águas cristalinas
Puras em gotas ou caindo em cachoeiras e
Que brotam da terra santa
Num pequenino olho d’água.
Cantam os pássaros que em revoada fazem
A sua dança sobre os campos abertos
A procura da árvore... Do abrigo.
Da seiva que alimenta suas crias.
Reverencio ao homem do campo que acaricia
A terra fazendo brotar o alimento
Que faz saciar a fome, a sede, de um povo que
Por vezes que silencia a defesa da terra.
Reverencio a Terra que me abriga!

Um lugar ... (o paraíso no outro)

Falam-me da existência do paraíso

Nada bíblico, algo mais terrestre, profano

Algo mais suave, existente, humano

Daqueles com rede pra deitar

Sentir a brisa do mar

O azul do Oceano

Dizem que é bom

E o tom do pôr do sol

E de que vc dali dificilmente saia

A lua chegando no céu

Passear na areia da praia

Oferecem-me esse lugar

Um lugar pra ficar

De tão perto parece que alcanço

Um sorriso ... o tempo passar ... o descanso

O Éden parece tão fácil

Acessível

Dos contos dele ser impossível nem me lembro mais

Só de pensar na paz

Das coisas boas dessa vida

De que o mundo é lindo

A fé no simples, a fé no abraço ou apenas a esperança na fé

O gosto bom de deixar a onda bater no pé

Dizem que existem vários paraísos

Basta pureza de espírito

Algo de bom em cada um de nós

Que visualize um lugar assim

Digo por mim

Mas falta esse algo bom

E de tanto falarem

Sobram-me lugares para visitar

Não sabem que às vezes, paraíso é alguém

Alguém que lhe contém

E não um lugar...

- FABRICIO MARCHI -

Quando As Tempestades Da Vida...

Quando as tempestades da vida
Surgem escuras à minha frente,
Me recordo de maravilhosas palavras
Que uma vez eu li.

E digo a mim mesmo:
Quando pairarem nuvens ameaçadoras,
Não dobre suas asas
E não fuja para o abrigo.


Mas, faça como a águia,
Abra largamente as suas asas
E decole para bem alto,
Acima dos problemas que a vida traz.


Pois a águia sabe
Que quanto mais alto voar,
Mais tranqüilos e mais brilhantes
Tornam-se os céus.

E não há nada na vida
Que Deus nos peça para carregar
Que nós não possamos levar planando
Com as asas da oração.

E ao olhar para trás
Verá que a tempestade passou,
Você encontrará novas forças
E ganhará coragem também...

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

A morte e a guerra (a visão de quem vence)

Quando a morte passar
Não a verás jamais então
Te escondi, acobertei, protegi
Peguei-te pela mão

Se ela te sorriu
A encobri com meu sorriso
Se ela te quis, foi infeliz
Fui mais preciso

Insistente, inconseqüente
Desafiei-a a morte
A própria morte não resiste a flor
A beleza do bem de quem quer bem
Sempre farei a morte passar
Com sua falta de fé, seu imediatismo, desespero... dor
Se estás comigo a morte não vence
Pois a morte não vence ao amor

Você não viu a sua face doentia
Apenas uma presença ruim
Empurrei, afastei, fiz o que eu queria
Quis que ela levasse a mim

A morte passou
A morte da alma
Não deixei que te abraçasse
Se me pertences, é minha
Longe de ti sim, não sozinha
Amenizei antes que acabasse

Penso estar machucado
Implacável morte que a tudo quer levar consigo
Salvo aqueles que resistem
Aqueles que insistem
Amam e protegem
Para esses nada está acabado
Quando acordares, não terá sentido nada
Apenas acarinhada
E me verá ao teu lado

As feridas doem, desses golpes em que se é alvo
Passa a morte, passa a dor, abro-te meu sorriso
Estás a salvo...

Quando a morte passar
Não verás a ventania
Talvez nem verá que te consolo
Nem tampouco verás a tempestade
Apenas dormirá segura
Como sempre quis... em meu colo...

- FABRICIO MARCHI -

(Ilustração: GIANCOLA, Donato - "Lancelot and Guinevere")

domingo, 15 de novembro de 2009

O Verdadeiro Sentido Da Vida

O verdadeiro sentido da vida
É ter a impressão que se tem tudo,
mesmo quando falta muito.
É ter esperança mesmo quando a tristeza
insiste em nos alcançar.
É saber a hora de parar
e escolher outros caminhos.
É tentar conhecer um pouco de você.
E expandir tudo que você tem de bom.
É enfrentar as lágrimas,
e, delas buscar um sorriso.
E acreditar que tudo pode acontecer.
E cada experiência é única
E cada amanhecer é mágico.
Te Desejo Nesta Semana...
Paciência para as dificuldades
Tolerância para as diferenças
Benevolência para os equívocos
Misericórdia para os erros
Perdão para as ofensas
Equilíbrio para os desejos
Sensatez para as escolhas
Sensibilidade para os olhos
Delicadezas para as palavras
Coragem para as provas
Fé para as conquistas
E amor para todas as ocasiões...

sábado, 14 de novembro de 2009

Quem Ama, Sofre (?)


Crônica sobre o "Não Saber"


Quem ama sofre

Mas sofre amando

Fico pensando em quem apenas está junto

Por compatibilidade, afinidade em algum aspecto, interesse

Algo mecânico, automático

Sabe aqueles que apenas observam um corpo?

Conforme a vida vai , se "aprende um amar" depois, ou se acostuma ou mesmo enjoa e se vai

Sempre vi que...

Quem ama é abstrato, incoerente, infantil

Vê fantasia na outra pessoa

Sente o coração revirar

Fica nervoso

Observa reações , e quer isso pra sempre ... apenas com essa pessoa ...

É estranho mas...

Creio que aprendi errado sobre o amor

Qdo “amei” pela primeira vez era jovem demais

Depois de certa idade, amar é tolice jovial, não cabe maisa quem é "crescido"


Então

Sempre há uma desculpa para o "não se envolver"

"Você vai se enganar"

"Está perdendo tempo, procure outras alternativas"

"VOCÊ VAI SOFRER"

Sempre sofri pelos meus amores

Hoje em dia me pergunto pq

Amar não é querer estar junto?

Compartilhar tudo?

Repartir todas as dores e alegria?

Calar diante da beleza de ver o outro falar, às vezes sobre ele mesmo?


Sempre acreditei que amar é se entregar...

Aquela ajuda sem retorno... apenas para ver alguém feliz

No fundo todo amante espera retorno... não um “muito obrigado”

Talvez um "Amo você" sincero

O sorriso abre

Não é necessário um conto de amorcomo declaração

Um "Que bom que você existe pra mim" é imensamente lindo!

Tão simples não é??

Vejo que deveria ter sido egoísta

Deixado simplesmente de lado aquela pessoa porque não me entendia

Deveria ter usado mais as pessoas

Quem sabe eu estaria dentro das estatísticas dos "normais"

De quem se deita com um qualquer e as "migalhas" são bebidas como bálsamo

Mas sempre falta TUDO no depois


A dos que se relacionam mas não se envolvem

Não mostram seus segredos, seus medos

E eu até que não tenho muitos, mas acho que deveria tê-los

Até para afastar aquele toque, aquele arrepio, o desejo

O carinho despretensioso

Ter sido apenas mais alguém na vida de alguém

Um risco , um arriscar, "se der" ...

Realmente me ensinaram errado o que é o Amor

Ou eu que não prestei atenção e quis ser autodidata ou teimoso

Hoje não tenho ninguém apesar de amar

Um silêncio... e a solidão

Estranha essa incoerência

Da que quem ama de verdade quer o amor colado em sua vida

Aquele que não quer perder um minuto do que você faz e... está só

Como é que se ama nesse mundo??

Cheguei a conclusão que não sei...


- FABRICIO MARCHI -


(Ilustração: LEMOYNE, François - "Venus and Adonis")

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Passagem

E nesses dias de tristeza
Em que a alma voa
Como pesados aviões de papel
Arrastam os dias
E assim pararam as poesias

Nesses dias de tristeza
Em que nem as lagrimas caem
Onde forças faltam
E me escondo em mim
E não se encontra fim

Movem-se devagar
Cada ponteiro
E o que seria contagem para seus braços
Tornar-se-ia certeza
Já não é
Vai-se a beleza

O sorriso também se vai
Deve-se ao tempo a culpa
Em que o coração se desculpa
Por bater tão devagar
E em desabalada correria batera
Desde que a sombra da solidão assombrou seu pulsar

O aconchego do desespero se tornou berço
A alma que antes brilhara
E a sensação rara do amor
Deixou o coração sem senhor
E perdido se encontra
Triste e sem sonhar
Sem mão pra segurar

O relógio cansado parou
E nem notei , mas tambem “E daí”??
As coisas ainda movem-se devagar
E ainda estou aqui ...

- FABRICIO MARCHI -